22 mitos e verdades sobre os principais serviços do salão

13/03/2017 | Kátia Deutner

Na hora de realizar os principais serviços do salão, crendices populares ou mesmo a falta de informação, às vezes, podem levar o profissional a cometer erros – e, principalmente, ensinar a cliente a tratar o cabelo de forma indesejada.

A seguir, desvendamos 25 mitos e verdades sobre coloração, descoloração, corte, alisamento e tratamento que você precisa saber já!

COLORAÇÃO

1. A TINTA AGE MELHOR EM CABELOS SUJOS. MITO.
Não lavar a cabeça por dias faz acumular sebo e outras micropartículas no couro cabeludo. “O óleo é protetor natural, mas, em grande quantidade, favorece o aparecimento de dermatite seborreica e caspa. Além disso, dificulta a ação dos produtos químicos, gerando o que chamamos de transparência, ou seja, não faz a cobertura total dos fios brancos”, explica Jefferson Eugênio da Silva, tricologista técnico do salão MGet e professor da Academia Brasileira de Tricologia. A sujeira também complica o alisamento. “A gordura em excesso em contato com algumas bases gera um fenômeno chamado de saponificação, que atrapalha o procedimento”, completa.

2. ACRESCENTAR MAIS ÁGUA OXIGENADA OU FAZER A MISTURA DA COLORAÇÃO SEM MEDIR SEMPRE DÁ CERTO. MITO.
Esse é um engano frequente dos coloristas que pode alterar a pigmentação, danificar e ressecar o fio. “Produtos de coloração são submetidos a testes de eficácia, dessa forma, a quantidade exata da mistura estipulada pelo fabricante minimiza danos e otimiza os resultados”, alerta Jefferson Eugênio da Silva.

3. AS MADEIXAS CLARAS SOFREM MAIS COM A TINTURA. MITO.
“Não existe justificativa para isso. Independentemente da cor, o que faz o cabelo sofrer ao ser colorido é sua fragilidade natural, se já passou por outros processos químicos ou se está ressecado. Fios finos tendem a se fragilizar mais do que os grossos”, explica o dermatologista e tricologista Ademir Leite Júnior, presidente da Associação Brasileira de Tricologia.

25-mitos-e-verdades-sobre-reeducação-capilar-descoloração

4. DEIXAR A COLORAÇÃO AGIR POR MAIS TEMPO FAZ A COR FICAR MAIS INTENSA. MITO.
Na verdade, isso potencializa os danos. “Tudo o que aplicamos nos fios tem uma consequência, que pode ser boa ou ruim. O ato de desobedecer às orientações dos fabricantes é um risco e pode provocar alergias no couro cabeludo e fragilizar a fibra capilar”, acrescenta o dermatologista.

5. DESCOLORAÇÃO OXIDANTE DE 40 VOLUMES FAVORECE O CLAREAMENTO. MITO.
O poder de descoloração não se encontra na volumagem da oxidação. “Alguns profissionais, se pudessem, colocariam OX de 50 ou até 60. O que define a potência do produto é o persulfato de amônio, base do pó descolorante. O oxidante apenas determinará em quanto tempo esse cosmético irá agir. Só lembrando que OX de 10 volumes chega a clarear até quatro tons, dependendo do fio”, acrescenta Leandro Ferreira.

6. A CABELEIRA NÃO ALCANÇOU O TOM DE LOIRO DESEJADO POR TER MAIOR QUANTIDADE DE VERMELHO. MITO.
Muitos profissionais acreditam que os fios podem puxar mais para o avermelhado, o que não é verdade. Todos os tipos de cabelo têm em seu interior grânulos de eumelanina (tipo de melanina para os castanhos e pretos) e de feomelanina (responsável pelos tons mais claros). “O que diferencia a cor é a concentração desses grânulos. Contudo, o alcance de determinadas tonalidades de descoloração está ligado ao diagnóstico do profissional. É sua função reconhecer o tipo de madeixa e estabelecer a melhor forma de descolorir. Os de nuances escuras e com maior número de eumelanina têm característica diferenciada para extração de cor, assim, eles necessitam de tempo e produtos próprios para isso. Falar para a cliente que o fundo alaranjado é decorrente da tendência ao vermelho da cabeleira dela é um erro de diagnóstico e da escolha da forma de fazer descoloração”, avisa Jefferson Eugênio.

7. OS DESCOLORIDOS FICAM MAIS FRÁGEIS E SUSCETÍVEIS À QUEBRA. VERDADE.
“A descoloração é um dos procedimentos cosméticos mais agressivos para os fios por descamar a cutícula e, por conta disso, causar a perda da proteção do córtex, parte responsável pela estrutura da fibra”, avalia Estrela Machado, dermatologista e tricologista.

8. CONSIGO FAZER O CABELO VOLTAR A SER TÃO SAUDÁVEL QUANTO ANTES DE DESCOLORIR. MITO.
Ao retirar pigmento do fio, causamos danos à cutícula, que perde massa. “O que podemos fazer é minimizar o estrago aplicando substâncias condicionadoras para recompor a estrutura da fibra temporariamente e formar um filme protetor em torno dela. E também usar produtos descolorantes que agridem menos”, indica a dermatologista Estrela.

CORTE

9. NAVALHA ESTRAGA O CABELO. MITO.
O corte com esse instrumento é feito por arraste da fibra para desbastar o fio e, assim, criar aquele efeito desfiado nas pontas e mais movimento aos cabelos. Ou seja, a navalha, em si, não danifica a cabeleira. Porém, é importante mantê-la afiada e fazer a troca das lâminas com frequência. Caso contrário, ela pode rasgar o fio, deixando uma aparência de “quebrado”.

25-mitos-e-verdades-sobre-reeducação-capilar-navalha

10. CORTE A SECO NÃO DANIFICA. VERDADE.
O procedimento permite ao profissional observar melhor o caimento natural da fibra. “O risco de estragos não deve ser mensurado pela madeixa estar seca ou molhada, mas sim pela técnica e ferramenta utilizada pelo profissional”, diz Jefferson Eugênio.

11. USAR MÁQUINA, EM VEZ DE TESOURA, ENGROSSA O FIO. MITO.
Se a pessoa tem o cabelo fino por herança genética, não há corte que reverta isso. “Há relatos de mudança da espessura ligados a alterações hormonais. Um exemplo é a menina que está próxima à menarca (primeira menstruação) e tem textura e cor alterados. Ela pode fazer um haircut na mesma época e atribuir o fato a essa transformação de visual. Porém, não é verdade”, alerta Jefferson Eugênio.

25-mitos-e-verdades-sobre-reeducação-capilar-corte-a-seco

12. É MELHOR DEIXAR A CABELEIRA CRESCER SEM CORTE PARA AUMENTAR LOGO O COMPRIMENTO DO CABELO. MITO.
Tudo errado. Ao crescer sem aparar, as pontas acabam agredidas e sofrem com tricoses, as doenças do fio: pontas duplas e quebra. “Quando isso acontece, é comum o profissional indicar até um corte mais radical do que a cliente deseja para retirar a parte danificada”, explica.

ALISAMENTO

13. É IMPOSSÍVEL ALISAR CABELO MUITO CRESPO SEM USAR PROGRESSIVA. MITO.
A falta de conhecimento e de afinidade com os alisamentos à base de tioglicolatos e hidróxidos leva a essa crença. “Alguns profissionais fazem o procedimento tradicional e depois a progressiva, o que danifica muito os fios pela diferença de pH dos produtos. O tioglicolato é excelente para alisar ondulados e entrega resultados muito naturais. Já os hidróxidos são perfeitos para os crespos e afros”, afirma Leandro Ferreira.

14. ESCOVAS ÁCIDAS PROMOVEM HIDRATAÇÃO E TRAZEM BRILHO AO CABELO. MITO.
O procedimento alisa e não deve ser usado para manutenção ou hidratação do fio. “O que acontece é uma ilusão de melhora, pois o produto age contraindo a fibra e encapando-a. O reflexo da luz é erroneamente caracterizado como hidratação”, esclarece Jefferson Eugênio.

15. DEPOIS DO ALISAMENTO, É NECESSÁRIO ESPERAR PELO MENOS UMA SEMANA PARA FAZER OUTRO PROCEDIMENTO QUÍMICO. VERDADE.
O cabelo é neutralizado como parte do processo, contudo, a forma nova do fio ainda não está totalmente estabilizada e leva algum tempo para isso acontecer. Se esse intervalo não for respeitado, pode ocorrer o corte químico. “Quanto mais técnicas em uma única sessão, como alisar e colorir no mesmo dia, maiores serão as chances de interferir na integridade da fibra capilar e comprometer a saúde. Isso é gerado pela incompatibilidade de produtos, que usam substâncias diferentes para condicionar o fio”, alerta Ademir Leite Júnior.

25-mitos-e-verdades-sobre-reeducação-capilar-alisamento

16. ALISAMENTO NÃO É COMPATÍVEL COM DESCOLORAÇÃO. VERDADE.
Ao descolorir os fios, o produto elimina a melanina (que é responsável pela cor) e outras substâncias vitais para a saúde, como proteínas, aminoácidos e vitaminas, gerando um desgaste da fibra capilar. O alisamento também compromete o córtex, quebrando e rearranjando as ligações de aminoácidos. No processo, uma parte dos nutrientes da cabeleira é perdida. Agora, ao somar os dois procedimentos, os danos são potencializados. É comum ter quebras, ressecamento e falta de vitalidade. “Cabe ao profissional avaliar se vale a pena essa combinação, com intervalo de tempo certo, e observar se o cabelo suporta descida de tons para alcançar a cor desejada”, argumenta Jefferson Eugênio.

17. NEM SEMPRE É PRECISO FAZER O TESTE DA MECHA. MITO.
“A bula do produto deve ser seguida à risca. As empresas têm respaldo das informações escritas nela e as consequências de não seguir ao pé da letra são do profissional”, alerta Ademir Júnior. Há cabelos de todos os tipos: fortes, sensibilizados, finos, virgens ou não. O cabeleireiro jamais saberá como a química irá reagir e se o fio irá suportar o procedimento apenas pelo olhar.

TRATAMENTO

18. BORRIFAR ÁGUA DO MAR AJUDA A MODELAR E TRATAR OS FIOS. MITO.
“Ela é carregada com altos índices de cloreto de sódio e metais pesados, substâncias responsáveis por desidratar os fios, deixando-os mais opacos e ressecados”, alerta Estrela Machado. Muitos profissionais usam para modelar e dar o famoso efeito de praia ao penteado, mas apenas em ocasiões especiais, pois não faz bem para a saúde da fibra capilar. Portanto, não use em excesso.

19. É PRECISO ESFREGAR A CABELEIRA COM AS MÃOS NO LAVATÓRIO PARA LIMPAR. MITO. O tensoativo dos xampus é capaz de remover a sujeira dos fios e a técnica correta é massagear suavemente o couro cabeludo, sem jamais atritar os cabelos. “Tudo isso leva à remoção excessiva da oleosidade, que promove um efeito rebote, ou seja, mais sebo e cabelos ressecados”, diz a dermatologista.

20. NO SALÃO, SÓ USO XAMPU SEM SAL, QUE NÃO ESTRAGA A FIBRA CAPILAR. MITO.
Esse ingrediente é usado em concentrações muito baixas, apenas para dar consistência ao produto, e pode ser identificado no rótulo como cloreto de sódio. “Dessa maneira, ele não tem capacidade para danificar os fios”, explica Estrela Machado.

25-mitos-e-verdades-sobre-reeducação-capilar-2

21. ADICIONAR ANTICONCEPCIONAL OU VITAMINAS PARA CAVALO NO XAMPU FAVORECE O CRESCIMENTO E MELHORA A QUALIDADE DO FIO. MITO. O xampu é uma emulsão estabilizada com diversos ativos e, se uma pessoa acrescentar algo, altera a fórmula, causando alergia no couro cabeludo ou até mesmo eliminando a eficácia do cosmético. O hormônio presente na pílula anticoncepcional é uma macromolécula que não penetra na região.

22. O CABELO DA CLIENTE ESTÁ CAINDO POR CAUSA DAS LAVAGENS CONSTANTES. MITO. Higienizar a cabeça é um ato importante e pode ser feito várias vezes por semana. “Não acredite na história de que a raiz do cabelo apodrece se ficar molhado. O folículo piloso está inserido na derme, que é úmida por natureza”, explica Ademir Leite Júnior.

 

Texto: Katia Deutner (edição de web: Patricia Santos)
Fotos: Shutterstock e divulgação