6 atitudes responsáveis para descartar o lixo do salão

21/05/2015 | Patricia Santos

Você sabia que boa parte do material descartado no salão pode ter um destino mais benéfico para o planeta e para o ser humano? A gente te ensina como fazer esses recursos virarem de perucas a diamantes e até peças fundamentais para ajudar a acabar com os danos no oceano.
 
De acordo com um levantamento feito pela Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe), em 2013, o Brasil produziu quase 210 mil toneladas de detritos por dia e menos da metade desse número foi diretamente para os aterros sanitários. Você sabia que, em se tratando dos estabelecimentos de beleza, muito do que é descartado pode ser reaproveitado e seu consumo totalmente reorganizado? É preciso começar a repensar totalmente a maneira como dispensa tanto os detritos do salão quanto os da sua casa. Nós mostramos como entrar já nessa corrente que faz o lixo virar um mundo melhor!
 
Por Monique Abrantes (edição para a web: Patricia Santos)
 

TRANSFORME CABELO EM PERUCA

Eles são unanimidade quando o assunto é resíduo mais produzido pelos estabelecimentos de beleza podem ter destinos bem melhores do que a lixeira. Uma das alternativas é doar as mechas para a confecção de perucas para pacientes em tratamento de câncer, como faz o salão Esmell Leblon. “A maioria dos nossos profissionais separa as seções maiores para esse fim. Mas sempre com o consentimento da clientela. Em seguida, encaminhamos para o Instituto Nacional de Câncer, o Inca”, conta a gerente Thais Munoz. Um bom exemplo é o Cabelegria, projeto que recebe doações de cabeleiras para confeccionar perucas para crianças em tratamento de câncer. Para cada peça, eles precisam de 200 gramas de cabelo com, no mínimo, 20 cm de comprimento, ou seja, você pode ajudar! Até o momento, eles já receberam mais de 7 mil doações que renderam cerca de 20 peruquinhas! 

FAÇA OS FIOS LIMPAREM OS OCEANOS

Já aqueles pedacinhos que não podem ser usados nesses apliques podem ter outro destino nobre: o mar. No Studio de Beleza Sonia Nesi (RJ), os fios inutilizados são recolhidos por uma empresa de desenvolvimento sustentável que ajuda na limpeza do oceano em casos de vazamento de óleo, porque a fibra capilar tem alto poder de absorvê-lo. Iniciativa semelhante parte da organização norte-americana Matter of Trust, que recebe restos de cortes para a fabricação de “tapetes” usados para impedir que o óleo de acidentes marítimos se dissipe pelo oceano. Quer ver como funciona? Dá uma olhada aqui.
 

TRANSFORME TUBOS DE COLORAÇÃO EM SOLIDARIEDADE

Os metais presentes nas tinturas capilares podem provocar sérios danos caso não sejam descartados da forma correta. Entre eles, a contaminação do solo e, consequentemente, do lençol freático. Pensando nesses riscos, a Midori Cosméticos deu início ao projeto Ecomid, que permite a devolução à empresa das embalagens usadas. A verba da reciclagem é revertida para o Instituto Formando Gente, uma organização não governamental (ONG) sem fins lucrativos especializada na educação e no desenvolvimento de crianças. No projeto Mais Beleza, da Grife Cosméticos, distribuidora da Truss em Florianópolis (SC), a cada embalagem vazia retornada, o salão ganha uma bonificação de R$ 1 e a instituição Lar dos Velhinhos de Zulma recebe R$ 0,50. Após o recolhimento, os itens são encaminhados para uma cooperativa de reciclagem que transforma o que iria para o lixo comum em renda para 40 famílias.
 

RECICLE O VIDRO DE ESMALTE

Muitas vezes, algumas cores saem de moda e acabam decantando. Na Esmalteria Nacional, assobras são despejadas em uma folha de papel até secar. “Depois, pingamos removedor para dissolver o restante e só então o jogamos no lixo reciclável”, explica a porta-voz Conceição Pimentel. Na hora de dispensar tanto o cosmético como seu frasco, é preciso cautela. “É possível fazer o descarte junto aos fabricantes”, aponta o professor Carlos Henrique Andrade de Oliveira. É o que a Risqué, por exemplo, faz na iniciativa “Faça parte, faça diferença”, que recolhe as embalagens para serem transformadas em produção de energia na indústria de cimento.

TROQUE O PAPEL-ALUMÍNIO POR ROLL MECHES


Atualmente, o mercado oferece alternativas que simplificam o trabalho do cabeleireiro e dispensam o uso de recursos que normalmente vão para o lixo após o atendimento. Um exemplo são as folhas laminadas ou de papel-alumínio usadas nas técnicas de reflexos. A alternativa que o hairstylist Luiz Cintra, do salão Emilia Borges (SP), encontrou foram as Roll Meches, um tipo de rolinho com uma camada de plástico maleável, uma base e uma presilha que, quando solta, faz com que ele se enrole sozinho. “Uma das vantagens é que, após o uso, podemos reutilizá-la várias vezes e, quando jogarmos fora, também podemos reciclar o rolo”, diz o cabeleireiro.

DO LIXO AO LUXO

A empresa Brilho Infinito transforma cabeleira em… diamantes! Segundo o diretor Carlos Pacheco, 2 gramas são suficientes para a produção de uma pedra. “Primeiro, é extraído o carbono contido no cabelo e ele é transformado em pastilha. Em seguida, ela vai para um equipamento que reproduz as mesmas condições de pressão e temperatura encontradas na natureza.” O valor mínimo para produzir uma peça é de R$ 3.800 e pode variar bastante, de acordo com a cor – incolor, champanhe e azul – e o tamanho desejado.

LEIA MAIS

* Água: desperdiçar, jamais!
* Tudo que você queria saber sobre esmalte em gel
* Schwarzkopf lança terapia de choque para fios danificados
* Luzes naturais


Tags: