7 técnicas e tendências para arrasar nos cortes curtos

O long bob ainda é queridinho da clientela, mas os cortes cheios de personalidade têm feito a cabeça de beldades ao redor do mundo. Inspire-se!

03/04/2017 | Redação

Hoje as brasileiras se arriscam bem mais no que diz respeito ao tamanho dos cabelos. Muitas se animaram a investir nos cortes curtos após celebridades, de artistas de cinema e TV a bloggers, cortarem as longas madeixas sem dó. Mas antes de qualquer tesourada, o cabeleireiro precisa se certificar de que a pessoa está realmente preparada para mudar. Manter-se atualizado também é fundamental. Por isso, reunimos aqui seis dicas dos experts e uma galeria com visuais inspiradores.

1 – A ferramenta certa

7-tecnicas-e-tendencias-de-curtos-maria-flor-e-bruna-linzmeyer

Maria Flor e Bruna Linzmeyer

 

Para quem tem dúvida quanto ao equipamento a ser usado no serviço, o técnico Wander Lima, da GA.MA Italy, esclarece: “O corte com tesoura é o mais comum, aquele a que todos foram acostumados, e serve para qualquer fio”. Já a navalha exige habilidade do profissional e deve ser utilizada preferencialmente em madeixas naturais. “É um tipo de trabalho que vence rápido. Seu efeito em um cabelo com mechas, por exemplo, fica bom nos primeiros dias e, logo depois, parece ser necessário outro talhe”, explica ele. Quanto à máquina de corte, o especialista afirma ser altamente precisa e segura. “Versátil, pode ser usada nos quimicamente tratados, finos e grossos. E permite tanto um corte reto quanto um graduado e desfiado, basta aprender a manusear corretamente o aparelho”, afirma Wander.

2 – Naturalmente versátil

7-tecnicas-e-tendencias-de-curtos-ginnifer-goodwin-e-anne-hathaway

Ginnifer Goodwin e Anne Hathaway

 

“A versatilidade está em alta. A mulher precisa de opções para mudar o penteado, inclusive o curto, como o da atriz Maria Flor, que tem laterais mais longas”, decreta Neandro Ferreira, hairstylist do TP Beauty Lounge, responsável pelo visual de Bruna Linzmeyer. “O cabelo da Bruna é uma releitura dos anos 1970. Com volume e textura natural [ela tem fios ondulados!], sem cara de salão de beleza. O corte consiste em leve graduação na nuca e lados e camadas desconectadas para dar movimento e corpo. Funciona em qualquer tipo de rosto, basta adaptá-lo à cliente. No caso da Bruna, a dica é aplicar um leave-in condicionador e deixar secar naturalmente, ou usar secador e difusor. Um pouco de pomada nas pontas dá o toque final”, detalha.

3 – Renovação com pixie cut

7-tecnicas-e-tendencias-de-curtos-deborah-falabella-e-sandra-annemberg

Débora Falabella e Sandra Annenberg

 

Presença constante nas cabeças estreladas, ele virou sinônimo de elegância. Cláudia Abreu, cujas madeixas são grossas, ficou ótima com o estilo de nuca mais curta e topo maior. A top model Tyra Banks já adotou esse mesmo look. No caso de Débora Falabella, que tem cabeleira fininha, o pixie cut garantiu volume com desfiado e desconexão, além da franja curta e dos fios longos na parte de trás. Esse tipo de corte destaca a face e combina com a maioria das pessoas. “Só deve ser evitado em quem possui cabeça muito grande e rosto arredondado, pois a tendência é realçar as formas”, avisa Wander Lima. De franja irregular e costeleta mais longa, o curtinho clássico da apresentadora Sandra Annenberg é obra do hairstylist Ricardo Cassolari (que executa o corte há 25 anos!). Outro curto charmoso é o de Isabella Santoni, feito com máquina, para compor o visual de sua personagem em A Lei do Amor.

4 – Back to the 90’s

7-tecnicas-e-tendencias-de-curtos-claudia-abreu-e-tyra-banks

Claudia Abreu e Tyra Banks

 

O hairstylist Felipe Freitas, do Fil Hair & Experience, no Rio de Janeiro, foi o responsável pela mudança de Fernanda Vasconcellos, que disse adeus às longas madeixas após a última novela. “O curto da moda é reto, com as pontas ralas e jogado para o lado, numa pegada anos 1990”, define o expert, que afirma ter cortado e desfiado os fios com tesoura. “O cabelo original da Fernanda é superfino e liso escorrido, por isso defini o comprimento bem acima do ombro, na altura do trapézio, que é perfeito para rostos menores. Na hora de finalizar, prefiro beach spray. Mas quando a ideia é dar textura, espalho uma dose de pomada [a quantidade é o equivalente a uma moeda de um centavo]”, ensina o cabeleireiro.

5 – Bob, o menos radical

7-tecnicas-e-tendencias-de-curtos-rachel-mcadams-e-juliana-paes

Rachel McAdams e Juliana Paes

 

A aposta do hairstylist Charles Veiyga, do Boutique Beauté, em São Paulo, é o bob, ou chanel. “Acompanha o desenho da cabeça, traz franjas de tamanhos variados e graduação à mão livre. O corte, feito em diagonal e levado para frente, tem camadas retas se a intenção é deixar o cabelo liso, ou graduação para usar ondas. Juliana Paes é uma das representantes do bob entre o médio e o curtinho. “Fios grossos e ondulados receberam camadas arredondadas. É ótimo para cabeleiras mais finas, médias e com ondulação suave. Na hora de finalizar, ativador de cachos, óleo e spray de brilho. A bela Rachel McAdams desfila visual parecido, levemente graduado nas pontas. Para dar o toque final, ativador de cachos e spray de fixação seca.

6 – Sem arrependimento

7-tecnicas-e-tendencias-de-curtos-fernanda-vasconcelos-e-isabella-santoni

Fernanda Vasconcellos e Isabella Santoni

 

Seja um pixie cut, um big chop ou um bob, os segredos do curto perfeito são a atenção redobrada do profissional e a determinação da cliente. “É importante conversar bem com a pessoa para entender o que ela quer, saber como ela se arruma em casa e também analisar como o fio nasce, sua espessura e sua textura”, avisa Charles Veiyga. “O cabeleireiro não pode chegar já cortando o cabelo. Primeiro deve avaliar o caso e explicar como será a manutenção do corte no dia a dia, dizer que a finalização com secador, prancha e cosméticos específicos leva ao resultado desejado”, inclui Wander Lima. Especialmente quando o look é bem curtinho, como o de Anne Hathaway e Ginnifer Goodwin.

7 – O big chop

7-tecnicas-e-tendencias-de-curtos-big-chop

Lupina Nyong’o

 

Bem rente à raiz, esse corte elimina restos de alisamento, descoloração ou coloração, auxiliando na volta ao formato e à cor originais. Para tanto, pode-se raspar a cabeça ou deixar que a raiz cresça alguns centímetros para só depois passar a tesoura, cortando as madeixas com química.

 

Texto: Annamaria Aglio (edição de web: Patricia Santos)
Fotos: Shutterstock e divulgação