Anvisa proíbe venda de alisantes por conter formol

20/03/2018 | Katia Deutner

Análises feitas pelo Laboratório Central de Saúde Pública de Pernambuco mostram que quatro marcas de alisantes tem formol na fórmula

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária – Anvisa proíbe venda de quatro produtos alisantes de cabelo por ter identificado a presença de formol em níveis fora do limite tolerado pela legislação nesses produtos. O formol é uma substância cancerígena e pode causar problemas de saúde no contato com a pele, olhos ou inalação. A Anvisa proíbe os produtos de serem comercializados, distribuídos e divulgados ou utilizados.

Os produtos proibidos são:

Maxxdonna Profissional Matutinha Máscara 02 Redutora de Volume, produzido pela G.A.M. O levantamento apotou que a empresa não regularizou o produto e a análise apontou a presença irregular de formol. Leia aqui a resolução da Anvisa.

Todos os lotes de 2 Step Ingel Maxx Premium Forever Liss Professional, fabricado até 31 de dezembro de 2017, pela ITC Cosméticos. De acordo com a Anvisa, o produto não está regularizado e foi identificada a presença de formol na elaboração. Leia aqui a resolução.

Lote 054 Forever Liss Botox, da empresa Aguss Indústria e Comércio de Cosméticos. A análise de contraprova confirmou a presença irregular de formol. Leia aqui a resolução.

Lote 5444 Bio Amazônica – Argila Terapia, fabricado por Embratec Envaso Ltda. Além de ter sido reprovado na análise do formol, apresentou problemas de rotulagem. Leia a resolução aqui.

Anvisa proibe venda de alisantes por conter formol

A lei

Por ser tóxico, o uso de formol em produtos cosméticos é limitado e permitido apenas como conservante. A concentração não pode ultrapassar os 0.2% e nunca deve ser como alisante. O contato com a substância leva à irritação da pele, dor e queimaduras. A inalação chega a causar irritação na garganta, tosse, diminuição da frequência respiratória e pneumonia.

 

Sem registro

O Royal Power Organic Protein Naturelle, da Naturallmix Cosméticos, também foi suspenso. A empresa notificou o produto na Anvisa, mas não fez a solicitação de registro. Os alisantes precisam ser avaliados previamente antes de chegarem ao mercado. Leia a resolução aqui.

 

Fotos: Pixabay