Cabeleireiros Contra AIDS apresenta Salão Solidário 2015

01/12/2015 | Patricia Santos

No dia 1º de dezembro, próxima terça-feira, acontece mais uma edição do Salão Solidário. A ação, que abrange salões de diversas partes do Brasil, tem como objetivo arrecadar fundos para o projeto Cabeleireiros contra AIDS, parceria entre a L’Oréal e a Unesco.

Toda renda obtida com os serviços de corte será revertida para a Sociedade Viva Cazuza, que presta assistência a crianças e adolescentes portadoras do vírus HIV. Em 2014, a Campanha arrecadou 60 mil reais e teve a participação de 62 salões de norte a sul do País. No total, foram realizados 5 mil cortes com o apoio de 700 profissionais.

Para conhecer os salões que aderiram a correte do bem, entre no site da campanha: www.cabeleireiroscontraaids.com.br/blog

Sobre o Projeto
Desde 2005, o Cabeleireiros Contra AIDS promove a conscientização sobre a prevenção do HIV entre cabeleireiros de todo o mundo. O objetivo do programa é oferecer aos profissionais de beleza informações de qualidade, cientificamente comprovadas, para o entendimento prático sobre a doença e, assim, apresentar meios de alertar o público a respeito dos riscos da doença e de que maneira pode-se proteger contra ela.

“No Brasil, o cabeleireiro  é um grande influenciador e exerce um papel importante na vida das suas clientes tornando-se um porta-voz fundamental para disseminar informações de prevenção à doença. Nós queremos engajar não só os cabeleireiros como também os consumidores de todo o país em prol dessa causa tão nobre”, afirma Mikael Henry, Superintendente da Divisão de Produtos Profissionais no Brasil.

Os números do HIV/AIDS no Brasil
Dados do Ministério da Saúde mostram que no Brasil 734 mil pessoas vivem hoje com o vírus HIV/AIDS, mas 150 mil delas não sabem que estão infectadas. Entre a população sexualmente ativa – de 15 a 49 anos – a taxa de infecção é de 0,6% e é considerada estável desde 2004. A taxa de detecção de AIDS no país também está estabilizada em 20 casos a cada 100 mil habitantes, o que representa cerca de 39 mil novos casos da doença ao ano.