Coleção Bronde by L’Oréal mostra como iluminar os fios com naturalidade. Veja os detalhes

01/12/2015 | Patricia Santos

A übermodel Gisele Bündchen e a atriz e modelo francesa Eva Green apareceram em vários tapetes vermelhos com cabelos tão lindos que logo se tornaram desejo. Ambas apresentavam highlights iluminadas sobre uma cor-base. De Paris e Nova York, a novidade que ganhou o nome Bronde (junção de Brown + Blonde) bombou e, claro, logo chamou a atenção dos cabeleireiros do mundo inteiro. E como diz Celio Faria, embaixador de L’Oréal Professionnel, onde tem tendência, tem técnica “profissa”.

Pensando nisso, a grife convidou três experts tops (o próprio Célio mais Fernando Torquatto e Rudi Werner) para desenvolverem a técnica Bronde, focada nas mulheres brasileiras. Os visuais, com jogo de luz e sombra e sem limites perceptíveis, são a perfeita associação do corte e da cor. Para acentuar a beleza dos castanhos, efeitos multidimensionais, sem precisar mudar significativamente a tonalidade natural. Já os loiros ganham dimensão e profundidade com nuances mais frias. Confira agora os três looks da coleção: Bronde, Baby Bronde e Bronde Tartaruga.

BABY BRONDE by Rudi Werner

Os loiros também ganham uma cara nova nesta coleção. O Baby Bronde, inspirado nos cabelos das crianças nórdicas e nos visuais longos e soltos do verão, foi criado pelo top hairstylist Rudi Werner, que fez o corte, e pelo colorista Fred Silveira. Indicado para madeixas mais claras, esse look trabalha também com iluminação e profundidade em pontos determinados, adicionando brilho, sem mechas marcadas.

O CORTE
Para garantir o volume, um estilo com camadas longas e franjão na altura do queixo. “O cabelo fica mais inteiro, com movimento na parte inferior, realçando as nuances e valorizando a cor”, diz Rudi. Em todo o contorno foi utilizado um ângulo de 45 graus, proporcionando mais balanço.

COLORAÇÃO & MECHAS
Fred Silveira usou Majirel 8.8 (loiro-claro marrom) na base e, para as mechas, Infinie Platine e Diarichesse 10.12. A divisão segue, também, o modelo diamante no alto da cabeça, com laterais e parte de trás seguindo em seções diagonais, finas e costuradas.

O RESULTADO
É um loiro muito claro com toques de marrom entre mechas bem finas, com raiz esfumada levemente escura e pontas claríssimas. Essa gradação é mais sutil e natural do que nas californianas, graças a uma aplicação homogênea por todo o cabelo. “Não se veem marcações, apenas o brilho”, explica Fred.

BRONDE by Celio Faria

As morenas podem ter cabelos iluminados e com sofisticação sem precisar recorrer ao loiro. O top hairstylist Celio e o colorista James França formaram a dupla que desenvolveu o look inspirado em Eva Green. “Estudamos cada detalhe e criamos uma técnica casada, com sintonia de corte e cor, mantendo a mesma divisão dos cabelos durante o processo para dar um caimento muito natural”, diz Celio.


O CORTE
Para valorizar as mechas, foram feitas camadas longas sobre base reta, preservando o comprimento e o volume com franja comprida. A divisão é importante para que não surjam “marcações” indesejadas. Tanto no corte quanto na coloração, o topo é separado em forma de losango (diamante) e a partir dele são feitas seções na diagonal.

COLORAÇÃO & MECHAS
O primeiro passo é a aplicação global de Inoa 6.8 (loiro-escuro marrom) e, sobre essa base, mechas tricotadas com Infinie Platine em tom de mel 7.13. No topo, as divisões são bem finas, só para iluminar. No contorno do rosto, seções fininhas seguidas de medianas criam jogo de luz e sombra. Na matização com Diarichesse 8.13, o diferencial: “A 5 cm da raiz, usei um revelador de 6 volumes, conseguindo, assim, esfumar e escurecer meio tom em relação ao comprimento e as pontas, onde foi utilizado o revelador 9”, diz James França.


O RESULTADO
O Bronde é indicado para as morenas com todas as texturas de cabelo. O efeito final tem caimento harmonioso, revelando a cor natural de fundo – marrom – iluminada por mechas bem finas na parte superior.

BRONDE TARTARUGA by Fernando Torquatto

Gisele Bündchen e a modelo brasileira Izabel Goulart apareceram na São Paulo Fashion Week Primavera Verão 2015/2016 com mechas inspiradas no casco de uma tartaruga por conta da mistura de nuances sobre uma base escura. Para desenvolver a técnica para os profissionais, Fernando Torquatto fez o corte e Edgar de Oliveira, a cor, e assim criaram o Bronde Tartaruga. “A grande vantagem é poder ser feito em todas as mulheres, principalmente nas morenas que sempre quiseram ter um visual diferenciado e tinham medo de clarear”, explica Torquatto.

 

O CORTE
Com referências nos anos 1970, tem camadas longas,  base mais arredondada, franja um pouco abaixo do queixo e pontas que se sustentam umas às outras. Assim como os outros looks da coleção, o ponto de partida é a divisão em diamante no topo, seguindo com seções na diagonal (ver passo a passo).

COLORAÇÃO & MECHAS
A aplicação de Majirel 7.8 (loiro marrom)  highlights 9.01 e 9.02 com Infinie Platine provoca a sensação [otica de marrom e loiro que se fundem, sem que se perceba onde começa um e outro. “A diferença entre o ombré para o Bronde Tartatuga é que, no primeiro, a passage do degradê é mais definida, enquanto no segundo, as nuances se mesclam, dando leveza e luz ao visual”, afirma Edgar Oliveira.


O RESULTADO
A técnica pode ser utilizada, também, por loiras e ruivas, preservando a cor da base e trabalhando com duas tonalidades próximas. Na matização, o profissional tem o recurso, ainda de apagar ou deixar mais luz em certos pontos.  

Texto: Fátima Telles (edição de web: Patricia Santos)
Fotos: Divulgação

VEJA TAMBÉM: 

* RUDI WERNER ENSINA TÉCNICA DE MECHAS BABY BRONDE