Cuidados para manter o salão longe de contaminações

02/06/2015 | Patricia Santos


Não dê lugar para que doenças graves contaminem seu espaço de beleza. Veja essas dicas para blindar sua saúde e da clientela!

Em novembro passado, a Universidade de São Paulo publicou um estudo no conceituado jornal Aids Research and Human Retroviruses. Segundo o artigo, uma jovem brasileira, moradora de Santo André (SP), teria contraído o vírus HIV ao partilhar, durante um longo período, equipamentos para cuidados com as unhas com uma prima HIV positivo. A familiar, que trabalhava como manicure, sabia ser portadora há 17 anos, mas nunca contara o fato a ninguém. De acordo com os médicos, essa forma de contágio é rara e as chances de transmissão aumentaram porque a doença não estava sob controle. E apesar de os cientistas não poderem confirmar 100% que a garota contraiu o HIV por esse meio, o caso serviu para reforçar a necessidade de cuidados nos salões de beleza. Além do HIV, outros vírus, bactérias e micro-organismos podem se instalar nos utensílios de trabalho e contaminar profissionais e clientes. O que fazer para evitar isso?

 Autoclave ou Estufa?

A esterilização é fundamental para eliminar vírus, bactérias e fungos dos utensílios de trabalho. Para isso, há dois equipamentos no mercado. O autoclave é o mais eficiente, rápido e seguro deles, pois uma vez iniciado o processo de higienização, ele não pode ser parado. Já a estufa, caso seja aberta antes da hora, exige que se comece tudo de novo.

ABC das doenças

Aids
Também chamada de Síndrome da Imunodeficiência Adquirida, é causada pelo vírus HIV que ataca as células de defesa do corpo, que fica vulnerável a diversas doenças, como candidíase, tuberculose e câncer. O HIV está presente em sangue, sêmen, secreção vaginal e leite materno, e o contágio ocorre por sexo sem camisinha, durante a gestação, o parto ou a amamentação, no compartilhamento de seringa ou agulha, na transfusão de sangue contaminado e no uso de instrumentos cortantes não esterilizados.

Hepatite B e C
Inflamação no fígado causada por vírus e que, nos casos mais graves, pode evoluir para uma cirrose ou um câncer. A transmissão é similar à do HIV. O tipo B ainda não tem cura, mas é controlado com medicamento. Já o tipo C, caso não seja removido, torna-se uma doença crônica e exige cuidados para o resto da vida. Esses micro-organismos podem permanecer fora do corpo humano por até sete dias.

Micose
Provocada por fungos (há mais de 100 espécies), a doença pode aparecer em qualquer região do corpo, principalmente nas mais quentes e que apresentam maior quantidade de gordura e queratina: couro cabeludo, axilas, virilha, entre os dedos dos pés e nas unhas. O tratamento pode ser demorado, feito com antifúngicos de uso local e até oral.

ATENÇÃO! Além das doenças citadas acima, verrugas virais, herpes, conjuntivite e foliculite também podem ser adquiridas dentro do salão.

Texto: Annamaria Aglio (Edição para web: Patricia Santos)
Fotos: Shutterstock

 

LEIA MAIS

* Cuidados com a dengue
* 6 atitudes responsáveis para descartar o lixo do salão
* Vult alerta para os perigos de se maquiar no trânsito