Entre o brilho e o ouro

02/02/2014 | Patricia Santos

Por Olivier Lebleu
A história começa como o cenário de uma superprodução de época (pense em Downton Abbey) – no entanto, tudo aqui é autêntico. Em suas memórias, Consuelo Vanderbilt Balsan conta seu percurso de mulher excepcional que atravessa dois casamentos, duas guerras mundiais e alguns continentes. Rejeitando os grilhões de sexo e de classe, ela aproveita sua inteligência e seus privilégios para construir um destino em que o respeito a si mesma passa pelo respeito aos outros. Por várias vezes, entre os Estados Unidos, a Inglaterra e a França, sua trajetória se cruza com a da história.
No início do século XIX, “o comodoro”, ou seja, Cornelius Vanderbilt, funda a dinastia e a fortuna dos Vanderbilt americanos (emigrados em 1650 da Holanda), exercendo seu talento precoce para negócios no domínio dos transportes. No ano


Tags: