O cheiro do medo

24/02/2014 | Patricia Santos

Quando larvas do percevejo da espécie Gargaphia solani são atacadas por uma joaninha esfomeada ou por um voraz percevejo glândulas localizadas em seu abdômen uma substância sinalizadora: o geraniol, que tem cheiro de flor. O perfume funciona como um sinal a seus semelhantes próximos, para que fujam do caçador. Os veados-mula norte-americanos liberam uma secreção com forte cheiro de alho que deixa o resto do grupo em estado de alerta. Esses casos não são exceções. No reino animal, há vários exemplos de espécimes que utilizam fragrâncias do próprio corpo em situações de medo ou perigo para se comunicar, mas as mensagens normalmente só podem ser recebidas por animais da mesma espécie. Quando ratos, por exemplo, sentem o cheiro de uma câmara onde anteriormente outro rato foi deixado e