Saiba escolher as quantidades certas dos acessórios básicos do salão

Por Patricia Santos em qua, 16/11/2016 - 13:11

Ao investir em um salão de beleza, assim como em qualquer outro empreendimento, é preciso colocar todos os detalhes na ponta do lápis. A seguir, a gente mostra para você como escolher corretamente, os acessórios mais básicos de um salão: tesoura, pente e escova. Quantos de cada um deles você deve adquirir? De quais tipos?

gestao-acessorios-3

Para responder a essas questões, entrevistamos dois educadores do Senac, um dos mais renomados centros de formação de profissionais de beleza do Brasil. São eles: Richard Duarte, cabeleireiro desde 1989 e instrutor de Formação Profissional no Senac Minas Gerais há 23 anos, e Érico Polôni, docente do curso Cabeleireiro do Senac Lapa Faustolo, em São Paulo, que atua na área há dez anos e é docente desde 2012.

O primeiro passo é definir o porte do empreendimento, que é determinado pelo número de profissionais e respectivas bancadas de trabalho. Se você conta com até três cabeleireiros, seu salão é do tipo pequeno; de quatro a oito, médio; e mais de oito, grande. A quantidade de tesouras, pentes e escovas foi calculada para cada beauty artist.

TESOURAS

O que levar em conta na hora da compra
Durabilidade e precisão no corte são os quesitos mais importantes. Segundo Érico Polôni, as tesouras de aço japonês são as melhores, mas o preço é alto: a partir de R$ 1 mil, R$ 1.500, conforme o modelo. Quem está começando pode adquirir itens acessíveis. “Aqueles na faixa de preço entre R$ 50 e R$ 200 apresentam bom custo-benefício. Conforme o faturamento aumenta, você pode investir em equipamentos melhores. Suba um degrau por vez”, aconselha Richard Duarte. É importante, segundo ele, comprar outro kit assim que possível. “Se a tesoura cai no chão e a ponta amassa, dificilmente ela será recuperada”. Quando for adquirir a segunda unidade, a dica é optar por um tamanho diferente daquele que você já tem. “As menores são melhores para cortes minuciosos. Já as maiores, para os mais rápidos”, ensina Érico Polôni. A navalha deve ter lâminas descartáveis. “É uma determinação da Anvisa para evitar contaminação”, avisa o profissional de São Paulo. Não se esqueça: tesoura e navalha são materiais de uso individual e exclusivo para o cabelo.

Quantidade mínima por profissional: uma tesoura fio laser navalha, uma fio navalha, uma dentada e uma navalha

gestao-acessorios-tesouras

[Da esquerda para a direita]

Fio laser: “É uma tesoura de precisão, usada para fazer cortes geométricos com simetria”, explica Érico Polôni. Também é indicada para haircuts retos (como chanel), fios lisos e grossos (como o cabelo oriental).

Fio navalha: “Serve para os cortes desfiados, desconectados, irregulares”, fala Richard Duarte. Ou seja, quando o fio não precisa ficar tão alinhado.

Dentada ou desfiadeira: Conhecida também como desbastadora, serve, principalmente, para diminuir o volume.

Navalha: Faz um trabalho semelhante ao da dentada, porém mais refinado. É indicada para o acabamento de corte masculino e texturizações no feminino.

PENTES

O que levar em conta na hora da compra
Como são relativamente baratos, dá para adquirir uma maior quantidade e, assim, deixar para higienizá-los apenas no final do expediente, ganhando tempo para o serviço. Produtos na faixa entre R$ 10 e R$ 20 costumam apresentar bom custo-benefício. A variedade também é importante: “O pente para química, com cabo, não deve ser utilizado para corte – atrapalha os movimentos. O de corte, sem cabo, não é bom para aplicar tintura”, fala Érico Polôni. Aqueles feitos com material resistente à esterilização, como o carbono, são mais recomendados.

gestao-acessorios-pentes

Quantidade mínima por profissional: de três a seis para corte e o mesmo número para aplicação de produtos; e de uma a duas para desembaraçar.

Para corte: é importante ter modelos de diversos tamanhos e espaçamentos entre os dentes (mais próximos ou separados), para atender a todos os tipos de cabelo: grosso, fino, liso, crespo… Alguns juntam características diferenciadas na mesma unidade.

Para aplicação de cosméticos: deve ter cabo e é usado para procedimentos químicos, como tintura e relaxamento.

Para desembaraçar: mais largo, serve tanto no lavatório como na bancada. Agride menos a cabeleira molhada do que a escova.

ESCOVAS

O que levar em conta na hora da compra
Diferentes tipos e tamanhos são fundamentais para um trabalho completo e versátil. “As maiores são utilizadas para fazer escovas mais lisas, com menos volume. Já as menores alisam melhor as raízes crespas. Muitas vezes, usamos dois tipos no mesmo penteado”, explica Érico Polôni. Por isso, é necessário contar com, pelo menos, três diâmetros, do pequeno ao grande. Isso vale tanto para as escovas de secar como para as de modelar. Como no caso das tesouras, os preços variam bastante, de acordo com a qualidade e durabilidade do material. Esse tipo de acessório é exposto às altas temperaturas do secador sem contar com protetor térmico. “Modelos a partir de R$ 50, R$ 60 resistem ao calor intenso”, informa Richard Duarte. Por isso, pode valer a pena investir um pouco mais neles. Se não for possível, porém, dá para comprar escovas profissionais a partir de R$ 20, R$ 30.

gestao-acessorios-escovas

Quantidade mínima por profissional: três redondas para secar, três redondas para finalizar e uma raquete.

Raquete: Almofadada, serve tanto para fazer penteados como para desembaraçar. Neste caso, substitui o tipo largo quando a cliente tem muito cabelo.

Para finalizar: Também redonda, traz cerdas sintéticas menores e mais espaçadas. É ótima para modelar e dar leveza, principalmente nas pontas.

Para brushing: Redonda e com cerdas mistas, é perfeita para fazer escova. As sintéticas prendem melhor as mechas, enquanto as planas servem para alisar. Pode ter acabamento de metal ou outro revestimento que potencialize o calor do secador.

ACESSÓRIOS DO BEM
Importantes na hora de executar o corte, estes itens também devem fazer parte da sua lista de compras

gestao-acessorios-4

- Clipes – Ajudam a dividir e prendem o cabelo para o corte. Podem ser de plástico ou de metal (neste caso, se não for de boa qualidade, pode enferrujar).

- Espanador – Esse instrumento retira os fios que grudam na pele do cliente, principalmente em cortes curtos. Pode ser bem simples, tipo vassoura, ou um modelo sofisticado, lembrando um pincel de barba.

- Borrifador – Mais usado em cortes masculinos, já que as mulheres tendem a lavar os cabelos no salão.

- Capa de corte – As de tactel são mais confortáveis, pois esquentam menos, e são fáceis de limpar. As de plástico descartável apresentam a vantagem de não serem reaproveitadas, mas costumam esquentar.

 

Texto: Olga Penteado (edição de web: Patricia Santos)
Fotos: Gustavo Morita e Shutterstock.