Tudo que você queria saber sobre esmalte em gel

12/05/2015 | Patricia Santos

Visualmente, ele até se parece com um esmalte tradicional. Mas na verdade, o esmalte em gel apresenta inúmeras diferenças. Saiba aqui quais são elas e como explorar melhor o potencial desse produto.
 
Texto: Annamaria Aglio (edição para web: Patricia Santos)
Fotos: Shutterstock e divulgação

 
O que é esmalte em gel?
Produto de uso profissional constituído por agentes químicos fotoiniciadores que, ativados pela ação de luz LED ou UV, promovem uma reação chamada polimerização, que faz os compostos se unirem e formarem uma película rígida. “A tecnologia Soak Off contida nesse tipo de cosmético permite que seja removido por solventes especiais e não somente por lixas, como ocorre com o gel de alongamentos”, esclarece Sheila Brusque Riesinger, diretora da importadora Universal Beleza. Como possui técnicas específicas de aplicação e de remoção, exige treinamento da manicure.
 
Quais suas vantagens em relação ao convencional?
Para começar, a secagem é praticamente instantânea. Oferece acabamento perfeito, brilho intenso e resultado semipermanente – tem duração de duas semanas, em média. Permite a aplicação de esmalte comum por cima e a criação de desenhos, dos discretos aos mais ousados. “Versátil, pode ser usado por todos os estilos de mulher. É ótimo também para quem vai viajar, casar ou rói as unhas”, aponta Sheila. A cliente sai supersatisfeita do salão.
Desvantagens? O processo é mais trabalhoso que o do tradicional e o crescimento da unha pode incomodar um pouco a pessoa. “Existem versões (denominadas one step) que duram uma semana e têm etapas mais curtas”, comenta a técnica Maria Gabriela Rocha, da Cosmix Pro Nails.
 

Tem alguma contraindicação para o uso desse produto?
É contraindicado para gestantes, pessoas em tratamento contra o câncer e crianças com menos de 12 anos, por causa da exposição às cabines de LED. “Quem apresenta algum tipo de infecção, inflamação ou micose também não pode usar”, inclui a técnica Noriko Anagusko, da Kiss New York. “Outro impedimento é se a cliente possui resquícios da unha em gel, acrílica, fibra ou tem alergia a algum componente da fórmula”, completa Nancy Brassart, da Pronails no Brasil.
 
Como proteger a unha natural?
A primeira dica é utilizar apenas itens de qualidade. Também é essencial manter mãos, cutículas e unhas sempre hidratadas. “É preciso especializar-se e seguir todos os protocolos para evitar maiores danos, como fragilidade e afinamento”, alerta a dermatologista Silvia Zimbres, da Doux Dermatologia, em São Paulo. “Há películas que evitam o contato direto com a placa ungueal, servindo como proteção e facilitando a retirada do produto”, comenta a técnica da Pronails no Brasil.
 

Qual a permanência do esmalte em gel nas unhas?
Independentemente da cor eleita, clara ou escura, ele tem a mesma resistência. “Tudo depende da marca escolhida. As de melhor qualidade oferecem duração de 21 dias, outras de uma semana a 14 dias. É importante fazer, também, uso de uma cabine com alta potência para ter uma maior conservação”, avisa Sheila Brusque Riesinger.
 
Quais os cuidados que o produto exige?
Além de seguir os protocolos indicados, é necessário ter atenção a outros detalhes. “As unhas devem estar saudáveis, hidratadas e sem remoção excessiva da área cuticular, que protege contra agentes externos”, destaca Sheila Brusque Riesinger. Na hora de remover o esmalte em gel, nada de arrancar ou puxar, para não danificar as unhas naturais. “É preciso quebrar o selamento do gel aplicando removedor específico”, esclarece a diretora da Universal Beleza.
 
É necessário dar uma pausa entre as esmaltações com gel?
Não há unanimidade quanto a essa questão. Enquanto as especialistas da Cosmix e da Pronails do Brasil concordam que é preciso deixar as unhas pelo menos um dia sem esmaltar, as da Kiss New York e da Universal Beleza defendem a aplicação ininterrupta, desde que o produto seja de boa qualidade e removido corretamente. “Saiba que elas podem se tornar quebradiças por problemas de saúde, como falta de vitaminas, disfunção hormonal ou por fungos e infecções”, afirma Sheila Brusque Riesinger. Já a dermatologista Silvia Zimbres, afirma: “Nada de uso contínuo é indicado”. Segundo ela, deve-se deixar as unhas livres de esmalte de tempos em tempos até para ver se há manchas e escamações.

LEIA TAMBÉM

* Nova coleção da Colorama faz homenagem ao Brasil
* Unhas de verão: As tendências de esmaltes para a próxima temporada
* Manu Gavasssi lança sua primeira coleção de esmaltes