Vaporizadores turbinam os tratamentos de cabelo

07/11/2017 | Katia Deutner

Além de potencializar a ação dos ativos e reduzir o tempo dos tratamentos de cabelo, os aparelhos chamam a atenção e dão um toque high tech ao ambiente.

Sabe aquele secador de coluna, ícone dos salões de cabeleireiro? Sob o qual a cliente ficava um tempão envolvida em uma camada de vapor e sentindo a cabeça esquentar? Ele não acompanha mais a rotina de serviços dos estabelecimentos e ficou apenas na nossa memória afetiva. O objetivo dos vaporizadores sempre foi o de facilitar a ação dos tratamentos de cabelo e colorações. Mas, hoje, o equipamento foi substituído por outros futuristas e contam com fontes mais avançadas do que o calor.

“Agora também utilizam luzes e ionização para abrir as cutículas do cabelo, acelerando o processo (uma vantagem interessante para todos). Além disso, facilitam a absorção dos ativos e nutrientes contidos no produto aplicado”, comenta a engenheira química Aline Motta Fernandez, da Do.Ha Professional (SP). Muitas vezes, agem no tempo suficiente para um café ou, no máximo, para uma folheada na revista. Sim, além de eficientes, eles prometem tornar as visitas para tratamentos de cabelo ao salão mais rápidas.

O design costuma ser arrojado, com visual high tech e que não passam batido pelos olhares e curiosidade de todos. Adaptam-se a diferentes posições e alturas e se movimentam enquanto agem para garantir uma ação uniforme. “São eficientes e muito modernos. Com emissão de vapor ou de luz, facilitam a chegada de substâncias no córtex. E ainda colaboram com a recuperação instantânea da fibra”, comenta Luiziane Cerqueira, gerente técnica nacional da Mutari.

tratamentos de cabelo

Sistemas diferentes

A grande sacada dos equipamentos com tecnologia avançada é deixar a fibra mais suscetível à absorção dos ativos. Isso facilita o encaminhamento deles e reduz o tempo de espera enquanto os tratamentos de cabelo agem. Para garantir esses resultados, as tecnologias são:

 

tratamentos de cabelo ionização

IONIZAÇÃO: consiste na emissão de partículas de hidrogênio e oxigênio por meio de um vapor seco. “A ideia é dilatar a cutícula e facilitar a permeação dos ativos, aumentando o poder de absorção. É como se as substâncias aproveitassem a oportunidade e entrassem na fibra junto com as partículas”, explica Jackeline de Souza, especialista em cosmetologia avançada (MG). E ainda há a possibilidade de um grand finale, com conselho da água fria no final da lavagem. “Os equipamentos finalizam o processo com uma névoa gelada. Isso blinda e alinha o fio, colaborando com o brilho”, comenta a engenheira química Aline Motta Fernandez.

 

tratamentos de cabelo fotônico

FOTÔNICA: é feito com luzes potentes, como o laser. Aparece em diferentes formatos, com braços que acompanham a curvatura da cabeça ou circular, girando para distribuir de maneira uniforme os tratamentos de cabelo. “Além de otimizar o tempo, o aparelho mexe nas cargas elétricas dos fios, neutralizando-as e deixando a fibra mais alinhada. No couro cabeludo, aumenta a vascularização, melhora a fisiologia e promove a renovação celular. Com isso potencializa a ação de agentes benéficos para o crescimento capilar. Quando a luz atravessa o fio, além de reajustar as cargas, ajuda no carregamento dos ativos”, explica Jackeline.

 

tratamentos de cabelo ultrassônico

ULTRASSÔNICA: tem uma proposta parecida com a fotônica. O uso do ultrassom colabora na otimização do tempo e no transporte das substâncias para o interior da fibra. “Ele vem em ondas e, quando elas penetram no fio, carregam consigo ativos dos produtos utilizados”, detalha a engenheira química.

 

COMPRAR OU NÃO?

Os equipamentos têm seu valor e realmente ajudam no trabalho do profissional e na obtenção de bons resultados. “Mas não diria que são fundamentais. São importantes. Em alguns casos, a fibra está muito desgastada ou obstruída pela alta concentração de parafina ou de outros elementos que compõem cosméticos de baixa qualidade. Aí o aparelho ajudaria na solubilização desses agentes e no encaminhamento dos ativos para o interior da fibra. Também nos casos dos extremamente danificados, quando uma maior absorção das substâncias seria muito útil”, comenta Jackeline de Souza.

Quem não consegue adquirir essas máquinas pode obter resultados semelhantes com enluvamento ou massagem nas mechas durante a aplicação. “Quando o fabricante do produto escolhido indica o uso de vaporizador, é importante usar. Caso contrário, não. Hoje, é possível contar com cosméticos de tecnologia suficiente para uma excelente ação e sem interferência”, opina a hairstylist e especialista em tratamentos Debora Melro, do Studio W Iguatemi (SP). Os mais baratos têm preços a partir de R$ 600, variando conforme a marca.

 

Texto: Françoise Gregório fotos: Shutterstock