Moisés Barros e Edu Hyde falam sobre carreira, futuro e Prêmio Cabelos&cia

13/09/2019 | Redação

Conheça o que pensam dois dos profissionais vencedores do Prêmio CABELOS&CIA 2019: Moisés Barros, primeiro lugar na categoria Melhor Cabeleireiro Corte, e Edu Hyde, ganhador do troféu de Melhor Maquiador Editorial

Moisés, o que significa o Prêmio CABELOS&CIA para você?

É uma honra, e ainda estou muito emocionado com ele. O reconhecimento de uma trajetória longa e árdua. Quero estender a premiação a todos que me deixaram fazer parte das suas vidas!

Conte um pouco da sua história.

Vim de uma família humilde do Paraná. Fui criado e educado por minha mãe, um exemplo de mulher. Tenho três irmãs que sempre lecionaram, daí surgiu a vontade de ajudar e educar. Desde o início, atuei na área técnica e com isso tive a oportunidade de trabalhar e estudar em grandes empresas, das quais tenho orgulho e respeito. Hoje ministro cursos por todo o Brasil com um único propósito: auxiliar na evolução das pessoas por meio do conhecimento.

Confira também: Cabelos longos são a promessa dos looks primavera/verão

Quem foi seu maior influenciador?

Tenho muitos mentores, mas gostaria de citar alguém que sempre levarei no coração: Yolly Ten Koppel [diretora da Pivot Point], minha inspiração como pessoa e educadora!

Moisés Barros é um educador nato, mesmo assim busca atualização constante.

Atualmente, sua atuação é destacada pela educação. Em qual momento da sua carreira você viu que era o momento de compartilhar sua bagagem?

Pode parecer estranho, mas desde o início não me via atuando em um salão e sim multiplicando o conhecimento. Tenho muito orgulho de poder transformar vidas.

O conhecimento abre portas e nos empodera

Moisés Barros

Como você, no papel de educador, costuma se atualizar?

Todos os dias renovamos nossos conhecimentos com bons livros, filmes, moda, comportamento, dança, canto e tudo o que está ligado à arte é importante, além de ficar de olho em novas técnicas e novos estilos.

Corte e cor devem caminhar juntos na harmonia de um visual?

Com toda certeza! Vivemos o que existe de mais imediato, os dois serviços interligados, temos ótimas referências na cor, e o que vem adiante é o despertar para o corte. Afinal, o que seria de um sem o design do outro?

Na sua opinião, um cabeleireiro pode ser expert em todas as áreas?

Pode sim, é claro! É só estudar. Conhecimento nunca é demais e sempre temos algo que nos impulsiona e faz bater mais forte o coração. Somos artistas, e como todo artista, temos múltiplas funções. Nada impede você de se dedicar a várias coisas. O importante é se encontrar, fazer o que você ama e ser feliz.

O que você aconselha aos profissionais que estão começando agora e que anseiam chegar aonde você chegou?

Estudar, estudar, estudar… O conhecimento abre portas e nos empodera, independentemente de raça, credo ou orientação sexual. Todos somos capazes de conquistar nossos objetivos, por mais inacessíveis que eles pareçam. 

Quais são seus planos para o futuro?

Quero continuar educando e ter grandes parcerias para poder ensinar cada vez mais.

Para finalizar, o que o Moisés experiente de hoje diria para aquele Moisés que estava começando na profissão?

Há um Deus todo poderoso que olha por você. Não cai uma folha de qualquer árvore sem que Ele permita. Apenas siga o seu coração e confie.

Edu, qual é a importância de receber um prêmio como o da CABELOS&CIA?

Eu já me sentia vitorioso apenas de estar entre os finalistas. Para um profissional, ser visto entre os melhores é uma honra. Estava concorrendo com pessoas cujo trabalho admiro bastante, sei da preocupação da Cabelos&cia com referência à curadoria e todos os detalhes do evento. Foi um momento de êxtase ao ouvir meu nome anunciado como primeiro lugar de uma categoria que faço com muito amor, todos os dias da minha vida.

Fale do início da sua carreira.

Sou natural de Salvador. Autodidata em desenho, fui tatuador durante uns dois anos. Nos momentos livres, eu e meu amigo e sócio ficávamos no salão da mãe dele, localizado ao lado do nosso estúdio de tatuagem. Ela já havia trabalhado em uma renomada rede de salões de São Paulo e, por seu intermédio, acabei vindo atuar na capital paulista aos 17 anos, sonhando em estudar moda.

Edu Hyde está abrindo as portas da sua Casa Vitrine, um espaço para beleza e arte.

Quem foi seu maior influenciador?

Duda Molinos, um pioneiro. Fiquei fascinado pelo seu livro. Cheguei a mandar um e-mail para ele, que me respondeu dizendo para eu ir atrás do meu sonho. No dia da premiação, sua imagem me veio à cabeça. É minha grande inspiração e vai fazer muita falta.

Você sempre gostou de desenhar e estudou moda e fotografia, além de maquiagem.

Sim, acabei me formando em moda pela Belas Artes. Na faculdade, fiz especialização em fotografia, o que me ajudou bastante, e também fui assistente de stylists e trabalhei com estilistas.

Essa bagagem o ajudou a transitar com naturalidade pelo conceitual e o comercial?

Minha experiência me tornou um profissional melhor e recomendo a todos que queiram ingressar na profissão de maquiador. Não é só executar o seu trabalho, mas entender o dos colegas, saber um pouco de fotografia, moda, iluminação. Tudo acrescenta à carreira.

Onde costuma buscar inspiração?

A arte me inspira. E a internet oferece ótimas ferramentas, como o Pinterest. É essencial estar conectado à atualidade, mesmo utilizando referências não atuais. Passado, presente e futuro.

Você também assina trabalhos no exterior. Como é trabalhar lá fora?

Desde que comecei no mercado internacional, senti a seriedade e a preocupação de todos no set. Há diversas reuniões, pré-diárias, testes de luz e imagem, o que, infelizmente, não acontece aqui. Nós, brasileiros, somos reconhecidos como bons profissionais, nos destacamos por saber lidar com situações que muitos não conseguem, exercer com maestria o nosso trabalho. E sabemos fazer cabelo e maquiagem, o que não ocorre lá fora.

As pessoas não procuram só um bom profissional, mas um bom ser humano.

Edu Hyde

Qual é o seu conselho para quem sonha com uma carreira internacional?

Em qualquer mercado, nunca perca sua essência. Seja grato pelos parceiros, busque aprender e tenha humildade em reconhecer quando pode melhorar algo. As pessoas não procuram só um bom profissional, mas um bom ser humano.

Onde pretende estar daqui a cinco anos?

Espero ter assinado um livro, lançado a minha linha de maquiagem. Continuar trabalhando com tudo que eu amo!

Deixe sua mensagem para quem deseja iniciar na profissão.

Estude, nunca desista, aprenda com os obstáculos, entendendo o que eles querem dizer. Cuide do seu material como se fosse seu filho, agradeça e tenha carinho pelas suas conquistas, e peça sempre com bastante fé. Sou muito grato a todos que passaram em minha vida, todos me acrescentaram algo e me tornaram melhor.

Agora em setembro, você deve inaugurar a Casa Vitrine, conte sobre esse projeto.

É outro sonho realizado, uma forma de retribuir ao universo minhas conquistas. Uma junção de todas as frentes em que atuo. Será um coworking de beleza, estúdio fotográfico, sala de aula e espaço de eventos. Não teremos apenas cursos de beleza, mas também de moda, fotografia e arte. Temos também um escritório de agenciamento de profissionais, o Vitrine MGT, e um braço voltado ao mercado de casamentos, o Vitrine Bride. Fica na Alameda Jaú, 404, no bairro dos Jardins, em São Paulo. Uma casa linda, dos anos 1940, que restaurei. Sou baiano. Espero todos vocês – “ para me darem um cheiro!

Entrevista a: Annamaria Aglio

Fotos: divulgação e arquivo pessoal